sábado, 31 de maio de 2008

Divisão da memória semântica e da memória episódica

O caso de K.C.: contribuições de uma pessoa com disfunções mnemônicas para a teoria da memória

R. Shayna Rosenbaum, Stefan Kohler, Daniel L.Schacter, et al.

Resumo

K.C. tem sido investigado extensivamente por mais de 20 anos desde que um acidente de motocicleta o deixou com um vasto dano cerebral que inclui grandes lesões bilaterais no hipocampo, que criaram um caso notável de disfunção mnemônica. Em testes padrão, a amnésia anterógrada de K.C. é tão severa quanto qualquer outro caso relatado na literatura, incluindo do caso de H.M. Contudo, sua habilidade de utilizar-se do conhecimento e experiências anteriores ao seu acidente demonstram uma clara dissociação entre a memória semântica e a memória episódica. Uma boa parte do seu conhecimento geral do mundo, incluindo o conhecimento sobre si mesmo, foi preservado, mas ele é incapaz de remeter qualquer evento experienciado pessoalmente. Ao exibir tal "amnésia episódica", que engloba uma vida inteira de experiências pessoais, K.C. difere-se de muitos outros casos de amnésia. Aqui, nós documentamos pela primeira vez a extensão total dos danos cerebrais de K.C. usando medições quantitativas obtidas por Imagens de Ressonância Magnética (MRI). Nós iremos, então, rever muitas das investigações com K.C. que têm contribuído para o nosso entendimento não apenas da memória episódica e da memória semântica, mas também para o desenvolvimento de outros aspectos da teoria da memória. Estes incluem a distinção entre memória implícita e memória explícita, a perspectiva de novas descobertas sobre a amnésia, e o destino das memórias recentes e remotas para eventos autobiográficos e públicos, pessoas e localizações espaciais.

Ver artigo na íntegra: em PDF; no Google.

Este artigo faz um estudo abrangente num caso clínico que demonstra claramente que existem limites anatômicos para a memória semântica, aquela que origina o conhecimento baseado em significados e conceitos independente de experiências específicas, e para a memória episódica, aquela que se refere a lugares, eventos, tempos e emoções associadas, relacionadas à experiências vividas. Juntas, a memória semântica e a memória episódica formam a memória declarativa, ou seja, a memória factual. Evidentemente que toda a memória semântica se origina de algum episódio onde se dá a aprendizagem mas, como demonstra este caso, seus conteúdos conceituais gerais, não subjetivos, são dissociados dos eventos que lhes dão origem.

Um comentário:

Camila Silva disse...

Não consigo visualizar na íntegra, e gostaria, como faço??