sábado, 29 de novembro de 2008

Viveu aquele que...


Em meio a tanto descaso
já foi amado de verdade por alguém,
amor que não se esquece,
do qual só o tempo é capaz de dar a dimensão.

Em meio a tanta falsidade
já foi profundamente odiado por alguém,
pois o ser humano só conhece
quem já provou do pior que este tem a oferecer.

Em meio a tanta superficialidade
já foi compreendido por alguém,
a subjetividade que comunicar mais carece
é aquela que vem do coração.

Quando amado, não soube amar; 
Quando odiado, não aprendeu a odiar;
Destes dois professores levou na lembrança
a lição de compreender.

Compreendendo tornou-se amor,
perdeu-se do ódio e de todo rancor;
Fez da sua força a esperança
e das dores o seu chão.

2 comentários:

Sheila S.S. disse...

Admiro quem é capaz de poetizar...

Martin Heiddeger dizia que "na essência da poesia repousam o artista e a obra de arte, onde a verdade se desvela de um modo que nos transporta para além do habitual."

Conforme lhe comentei, "Cartas a um jovem poeta" de Rainer Maria Hilke, é um livro de forte beleza que apresenta a troca de correspondência entre o poeta alemão Hilke e um jovem que se inicia no universo da poesia.

A partir de seu poema e da imagem que vc escolheu, escolhi uma passagem para deixar registrada aqui. Espero que vc aprecie!

"Não se deixe enganar em sua solidão só porque há algo no senhor que deseja sair dela. Justamente esse desejo o ajudará, caso o senhor o utilize com calma e ponderação, como um instrumento para estender sua solidão por um território mais vasto. As pessoas (com o auxílio de convenções) resolveram tudo da maneira mais fácil e pelo lado mais fácil da facilidade; contudo é evidente que precisamos nos aferrar ao que é difícil; tudo o que vive se aferra ao difícil, tudo na natureza cresce e se defende a seu modo e se constitui em algo próprio a partir de si, procurando existir a qualquer preço e contra toda resistência. Sabemos muito pouco, mas que temos de nos aferrar ao difícil é uma certeza que não nos abandonará. É bom ser solitário, pois a solidão é difícil; o fato de uma coisa ser difícil tem de ser mais um motivo para fazê-la.
Amar também é bom: pois o amor é difícil. Ter amor, de uma pessoa por outra, talvez seja a coisa mais difícil que nos foi dada, a mais extrema, a derradeira prova e aprovação, o trabalho para o qual qualquer outro trabalho é apenas uma preparação. Por isso as pessoas jovens, iniciantes em tudo, ainda não podem amar: precisam aprender o amor. Com todo o seu ser, com todas as forças reunidas em seu coração solitário, receoso e acelerado, os jovens precisam aprender a amar. Mas o tempo de aprendizado é sempre um longo período de exclusão, de modo que o amor é por muito tempo, ao longo da vida, solidão, isolamento intenso e profundo para quem ama. A princípio o amor não é nada do que se chama ser absorvido, entregar-se e se unir com uma outra pessoa. (Pois o que seria uma união do que não é esclarecido, do inacabado, do desordenado?) O amor constitui uma oportunidade sublime para o indivíduo amadurecer, tornar-se algo, tornar-se um mundo, tornar-se um mundo para si mesmo por causa de uma outra pessoa; é uma grande exigência para o indivíduo, uma exigência irrestrita, algo que o destaca e o convoca para longe. Apenas neste sentido, como tarefa para trabalhar em si mesmos, as pessoas jovens deveriam fazer uso do amor que lhes é dado. A absorção e a entrega e todo tipo de comunhão não são para eles (que ainda precisam economizar e acumular por muito tempo); a comunhão é o passo final, talvez uma meta para a qual a vida humana quase não seja o bastante." (Rilke)

Mr. Cortex disse...

"[Amar é] o trabalho para o qual qualquer outro trabalho é apenas uma preparação" e "o amor constitui uma oportunidade sublime para o indivíduo amadurecer, tornar-se algo, tornar-se um mundo, tornar-se um mundo para si mesmo por causa de uma outra pessoa"... Muito bom!! Muito verdadeiro. Estas duas passagens, em especial, me dizem muito, como se contivessem dentro de si muitas outras frases com significados, cuidadosamente dobradas e sobrepostas umas às outras. (((:
Gostei muito!