domingo, 14 de dezembro de 2008

Peaceful Eyes (Old School)

Olhos Pacíficos

Não consigo deixar de pensar naqueles olhos calmos, pacíficos, e na vontade que tenho de mergulhar neles e de descobrir seus segredos. São raras as vezes que nossos olhares se cruzaram, mas sou sempre arrasado por uma sensação desconcertante e ao mesmo tempo muito agradável... É como estar na praia e ser atingido por uma onda: não é possível fazer mais nada a não ser...

Não consigo deixar de pensar naqueles olhos calmos, olhos que me fizeram sonhar mais uma vez, olhos que me inundaram de desejo e de um sentimento que a tanto tempo estava esquecido. Sonhei com aquele olhar esta noite e me lembrei de...




------------------------
Encontrei no meio de alguns arquivos de texto que tinha salvo no pendrive, gostei pois é do jeito que eu escrevia a tempos atrás. (:

2 comentários:

Sheila S.S. disse...

Fiquei na dúvida se foi vc quem escreveu ou não... Vc disse que encontrou, então imaginei que pudesse ser algum escrito seu de tempos atrás, mas quando diz que se parece com a forma como escrevia, isso me leva a crer que o autor deve ser outro...

Simpatizei pelo fato de que ele retrata aqueles sentimentos arrebatadores, quase que ocasionais, que acontecem assim... de uma forma muito sutil, mas intensa. Sentimentos que se aproveitam do descuido, do ser que passa então a situação de enamoramento. (será que existe essa palavra?) Porém, as condições que começam a se apresentar pelo "se" ficam no ar... Talvez expressem exatamente o pensar do indivíduo apaixonado: cheios de "se"...

Deixo uma de R. Barthes, é outro livro que vale a pena: "Fragmentos de um Discurso Amoroso"

"A história de amor é o tributo que o enamorado deve pagar ao mundo para se reconciliar com ele".

Abço. :)

Mr. Cortex disse...

Fui eu mesmo que escrevi... Estranho que não é muito velho esse texto, mas ele me lembra o modo como eu escrevia a uns 5 ou 6 anos atrás. Regressão literária talvez... Hehehehe. Nem toda regressão é totalmente ruim. Me trás uma ou outra boa lembrança. (:

Interessante a citação que você fez. Tem esse aspecto de rompimento com o mundo, quando a pessoa está apaixonada. E a reconciliação se faz necessária mesmo, pois de onde vem a pessoa objeto da paixão, se não do mundo? (: